quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Apaixonadamente, Frida Kahlo!



Frida Kahlo, a mais intensa e verdadeira de todas as artistas!

Sua trajetória é marcada por sentimentos extremos que vão desde a imensa felicidade por sua vida e obra até a depressão profunda causada pelas fortes dores que sentia em razão das sequelas da poliomelite obtida na infância e o acidente de transito que sofrerá na juventude.

Quando obeservo uma obra de Frida minha alma experimenta um misto de emoções que as palavras são incapazes de descrever.As cores explodem de suas telas e ecoam dentro de mim como uma canção.

Esta encantadora mexicana nasceu em 06 de julho de 1907.É filha de uma mexicana com um judeu alemão.

Em 1925, aos 18 anos foi vitima de um grave acidente:O ônibus em que viajava se chocou com um bonde.

Acamada, começou utilizar a pintura como distração e também uma forma de expressar o díficil momento que estava vivendo.A partir de então a arte passou a significar a existência de Frida.

Integrou o Movimento Comunista Mexicano ao lado de seu marido,o também artista, Diego Rivera.Viveram um relacionamento contubardo devido ao grande número de amantes que Diego possuia, entre elas a irmã de Frida, fato que culminou na separação do casal.

Entretanto se reconciliaram anos mais tarde.

Frida teve relacionamentos extra conjugais com várias mulheres o que era aceito tranquilamente pelo marido.Ela também teve um breve romance com Trotski quando ele se hospedou na "Casa Azul", como é conhecida a casa de kahlo.

Apesar de viver constantemente com dores por todo o corpo, tinha uma vida social boemia repleta de festas com o melhor da música mexicana regadas ( claro!! ) a muuuuuuita Tequila.

Frida Kahlo faleceu em 1954, com o corpo debilitado e uma perna amputada.

A causa: embolia pulmonar após uma forte peneumonia, mas especula-se suícidio por overdose e até assassinato por envenenamento(o que eu acho pouco provável).

A última anotação de seu Diário diz: "Espero alegremente
a saída - e espero
nunca mais voltar -
FRIDA"

As obras de Frida são sensíveis e passionais pois falam de suas angústias, de suas dores e tristes perdas.

É o caso de "Cama Voadora" (1932) que a retrata em uma enorme cama de hospiotal após sofrer um aborto.

Ou "Nascimento (1932)" que retrata o seu nascimento.A imagem é muito curiosa pois Frida pinta sua mãe em trabalho de parto com a cabeça coberta com um lençol.

A inpiração surgiu em decorrência da morte de sua mãe quando a obra se encontrava ainda em fase de conclusão.

Para conhecer mais sobre a artista sugiro o filme "Frida" de Julie Taymor que apresenta Salma Hayek(digna!) no papel de Frida e Alfres Molina como Diego Rivera.

Indico também "O Diário de Frida Kahlo " publicado no Brasil pela José Olympio Editora (com introdução de Carlos Fuentes, cometários de Sarah M. Lowe, e tradução de Mário Pontes).

Este, gente...me leva aos prantos...

*Trata-se das anotações pessoais da Frida (vou postar no Manuscrito algumas imagens).

Para finalizar Frida foi a artista mais bela de todas as artistas.

Sua alma:Bela

Seu frágil corpo:Belo

Sua expressão forte:Bela

Seu estilo para se vestir:Belo

Sua arte:Bela

"Um dia veremos, um dia
aprenderemos. Há sempre coisas
novas. Sempre ligadas à
antiga existência."-Frida

7 comentários:

Thiago Almeida disse...

A Frida era "froda".

jefferson disse...

aplausos!

jefferson disse...

thiago e suas palavras sabias...

Casa de Boneca disse...

Oi!
Seu blog foi indicado ao Premio Dardos. Entre no meu blog, confira e pegue o seu. Parabéns e obrigada.

Anônimo disse...

opa gostei da cara nova... saudade
bjumiliga

jefferson disse...

opa gostei da cara nova... saudade
bjumiliga

[camille paixão] disse...

muuuito bom. A cultura latina eh muito rica, mas milhares de vezes só enxergamos após o Trópico de Câncer. Bem lembrado tb sobre o filme.

ei, o Insensatez tá de cara nova...bacana Greta.

bjaUn=]